terça-feira, dezembro 06, 2011

Frustração?

Se por um ângulo é feia, por nenhum pode ser bonita.
O ritual diário e solitário em frente ao espelho. Tenho que puxar mais o tecido, apertar os fechos, comprimir sem dó ossos e adjacentes, ajustar a roupa justa, e, que justiça seja feita, apelar para a fome.
Eu queria enxergar nisso uma perfeccionista doente, mas o que há de errado em querer estar bem?
Mas ninguém perdoa: caber nesse modelito ideal não satisfaz nem o tecido esgarçado nem a imprópria manequim.