segunda-feira, janeiro 05, 2009

7+7, 6+8, 9+5, 13+1

Minha tradição é criar um texto para o meu aniversário, um romance, crônica ou poesia que me satisfaça e que eu possa me dar como presente. Para fechar com chave de ouro os meus 13 anos (2008 foi um ano inesquecível em todos os sentidos), nada melhor do que eu mesma:

Se penso em minha mente, em como é minha cabeça por dentro, o que imagino? A princípio, um nada, um branco de propaganda de sabão em pó infinito. Olhando com mais atenção, eu vejo a verdade, e é um tremendo choque olhá-la. Uma precipitação atmosférica (ou chuva) torrencial de informação está ali, e levam-se alguns segundos para se acostumar a esta visão.
São duas partes separadas, totalmente diferentes. A da direita é uma praia calma ao final da tarde, a da esquerda um lugar animado, talvez uma balada, ou um lugar com muita gente e muito colorido. Eu estou dividida entre esses lugares: do lado direito visto meu jeans dobrado para fora, meu All Star clássico e uma pólo preta; do lado esquerdo visto uma minissaia jeans cinza, uma pólo coloridíssima e uma sandália de salto. Do lado esquerdo ouço no máximo Aerosmtih, The Rolling Stones, Queen, Madonna, AC/DC, Kiss... Do lado direito ouço baixinho Pink Floyd, Amy Winehouse, Elton John, Supertramp, David Bowie, Eric Clapton.... Em ambos os lados, meu cabelo está legal (sabe como, da cor que é) e minha medalha do exército pendurada no pescoço. Nem sempre estou com as mesmas pessoas, com o mesmo jeito, com os mesmo pensamentos, com o mesmo rumo, com a mesma vontade, com o mesmo por que, nem sempre igual. Mas sempre eu.

Explicação ‘complicada’ (péssima!), cheia de interpretações, que só confunde ainda mais a cabeça do inocente leitor. Talvez porque eu deixei muito com a minha cara. O que quero dizer é que, apesar de ser feita de dois extremos tão diferentes (ou não), eu junto os dois numa só pessoa, numa só cabeça, numa só mente. O que resulta disso, eu conheço melhor do que ninguém. Orgulho-me de andar por aí sendo esse resultado.

Um dia desses, fiz um desenho tosco, para passar o tempo, num jogo americano de papel numa lanchonete qualquer. Estava totalmente esfomeada, esperando meu hambúrguer de picanha e despistando a gula com suco de laranja. O desenho não tem sentido, é mal-feito, impensado... Mas até que ponto?
Olhando melhor, é a minha mente no papel (!). É totalmente lógico, seguindo um padrão, de duas cores, de dois jeitos, parece ser um rabisco mas é uma obra de arte, independente do mundo ao seu redor e também baseado nele, com falhas corriqueiras que só o atrapalham se o crítico não tiver paciência de ver, ao mesmo tempo perfeito e imperfeito... 2 em 1... Um paradoxo irresistível...



Desenhei também meu famoso jacaré (para ver a versão 2008 e entender o significado do jacaré, vá ao primeiro post de Janeiro de 2008), sem dúvida é ele o meu amuleto desse ano!

2 comentários:

  1. Se voce quiser, pode me chamar de José Carlos...segunda-feira, janeiro 05, 2009 1:00:00 AM

    Meeu, cada vez ficam mais interessantes os posts. penso que com certeza essa mistura resulta em alguem com personalidade incrível. Mas aliás, já sei que voce é incrivel há um bom tempo.
    Feliz aniversario! que voce seja muito feliz, mesmo!
    É, realmente to estrgando seu blog com meus comentarios que nenhum dos seus outros leitores tem que ler... Anyway, fiz o email sim, só foi dificil o fdp do hotmail aceitar algum cep que surgia da minha cabeça, mas tá ai:
    anonimojosecarlos@hotmail.com
    hahahahahahahahah
    Bom, parabens. Pelo aniversario e por todo o seu talento.

    ResponderExcluir
  2. Flavia, voce e binaria, parabens...
    Acho admiravel seu auto conhecimento, mas lembro que extremos nao sao saudaveis... moderacao e cuidado com isso.

    Alem disso, meus parabens, muitas felicidades, saude, paz e sucesso.

    fuscopi

    ResponderExcluir

Espaço abaixo: Pra quem leu o post e tem qualquer coisa a dizer. Deixe também o email ou site.